LA CORRÉLATION ENTRE LES MYTHES DE LA DÉMOCRATIE RACIALE ET DE LA CORDIALITÉ DANS LA FORMATION DE L’IDENTITÉ BRÉSILIENNE – DISCRIMINATIONS POSITIVES ET QUOTAS SOCIAUX

LA CORRÉLATION ENTRE LES MYTHES DE LA DÉMOCRATIE RACIALE ET DE LA CORDIALITÉ DANS LA FORMATION DE L’IDENTITÉ BRÉSILIENNE – DISCRIMINATIONS POSITIVES ET QUOTAS SOCIAUX

Autores

Resumo

THE CORRELATION BETWEEN THE MYTHS OF RACIAL DEMOCRACY AND CORDIALITY IN THE FORMATION OF BRAZILIAN IDENTITY – POSITIVE DISCRIMINATION AND SOCIAL QUOTAS

DOMAINE(S): droit constitutionnel; droits humains.

RÉSUMÉ: L’article analyse de quelle façon la compréhension de l’inégalité sociale légitime une politique brésilienne proactive visant l’inclusion des plus pauvres. En particulier, le propos entend vérifier jusqu’à quel point la construction des mythes de l’homme cordial et de la démocratie raciale au Brésil est perçue comme un obstacle à la construction de l’égalité des citoyens.

ABSTRACT: The article analyzes how the understanding of social inequality legitimizes a proactive Brazilian policy aimed at the inclusion of the poorest. In particular, the article intends to verify to what extent the construction of the myths of the cordial man and racial democracy in Brazil is perceived as an obstacle to the construction of the equality of citizens.

MOTS-CLÉS: racisme; démocratie raciale; homme cordial; proactivité politique, discriminations positives et quotas sociaux.

KEYWORDS: racism; racial democracy; cordial man; political proactivity, positive discrimination and social quotas.

RÉSUMÉ: 1 Introduction; 2 De l’importance des mythes de «l’homme cordial et de la «démocratie raciale» comme fondateurs de l’identité brésilienne; Conclusions; Références.

SUMMARY: 1 Introduction; 2 On the importance of the myths of “the cordial man and of “racial democracy” as founders of Brazilian identity; Conclusions; References.

Biografia do Autor

Yves Poullet, Institution de rattachement : Centre de recherches Information, Droit et Société (CRIDS) de l’Université de Namur)

Recteur honoraire de l’Université de Namur, professeur émérite aux universités de Namur et de Lille (UCLille), membre de l’académie royale de Belgique. Institution de rattachement : Centre de recherches Information, Droit et Société (CRIDS) de l’Université de Namur).

Roberta Fragoso Menezes Kaufmann, instituto de direito público

Institution de rattachement : Instituto de Direito Público – IDP (Institut de Droit Public – traduction libre). Bacharel em Direito pela UFPE (1999). Láurea Universitária em 1999 pela Universidade Federal de Pernambuco. Prêmio Jovem Cientista em 1994 e 1995 (CNPQ). MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas (2000). Mestre em Direito e Estado pela Universidade de Brasília (2003). Doutoranda no Instituto de Direito Público - IDP (2021 até o momento). Procuradora do Distrito Federal (2005-hoje). Procuradora do Estado de Goiás (2001-2005). Assessora de Ministro no Supremo Tribunal Federal (2001-2005). Professora de Direito Constitucional e Administrativo na Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal. Atuação em Supremo Tribunal Federal, Direitos Fundamentais, Jurisdição Constitucional, Dignidade da Pessoa Humana, Ativismo Judicial, Cortes Constitucionais, Direito Comparado, Formação Política Brasileira, Formação do Estado Brasileiro.

Referências

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental – ADPF 186.

BUENO, E. A viagem do descobrimento. A verdadeira história da expedição de Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva, v. I, 1998.

CALLIGARIS, C. Hello, Brasil e outros ensaios: psicanálise da estranha civilização brasileira. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

CARDOSO, F. H. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional. O negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. 5. ed. rev. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHACON, V. A construção da brasilidade. Gilberto Freyre e sua geração. Brasília: Paralelo 15 – São Paulo: Marco Zero, 2001.

CHACON, V. Gilberto Freyre. Uma biografia intelectual. Recife: Fundação Joaquim Nabuco – Massangana, 1993.

CRUZ, L. Democracia Racial, uma hipótese. Fundação Joaquim Nabuco. Trabalhos para Discussão nº 128/2002. ago. 2002. Disponible sur: https://periodicos.fundaj.gov.br/TPD/article/view/935. Consulté le 16 mai 2021.

DA MATTA, R. Notas sobre o Racismo à Brasileira. Dans: SOUZA, Jessé. (Org.) Multiculturalismo e racismo. Uma comparação Brasil-Estados Unidos. Brasília: Paralelo 15, 1997.

DA MATTA, R. Relativizando. Uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

DEGLER, C. N. Neither black nor white. Slavery and race relations in Brazil and the United States. Reprint. Madison, Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1986.

FAORO, R. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2001.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio. 2021.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala. 46. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala. Formação da família brasileira sobre o regime da economia patriarcal. Apresentação de Fernando Henrique Cardoso. 47. ed. rev. São Paulo: Global, 2003.

FREYRE, G. New World in the Tropics. 2. ed. New York: Random House, 1963. Traduction libre.

FREYRE, G. O Escravo nos Anúncios de Jornais Brasileiros do Século XIX. Recife: Imprensa Universitária, 1963.

FREYRE, G. Palavras repatriadas. Brasília: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2003.

FRY, P. O que a Cinderela negra tem a dizer sobre a “política racial” no Brasil? São Paulo: Revista da USP, nº 28, p. 122-135, déc./fév. 1995-1996.

GASPARI, É. O Branco tem a marca de Naná. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 avril 2000. Editorial Folha Brasil.

GASPARI, É. Um grande livro sobre o racismo (in)existente. Jornal O Globo, Rio de Janeiro, 19 oct. 2003.

GOÉS, J. R. P. de. Reparação, escravidão e leis raciais. Dans: Caderno Opinião, O GLOBO, 15 juin 2009.

GUIMARÃES, A. S. A. Baianos e Paulistas. Duas Escolas de Relações Raciais? Dans: Tempo Social. Revista de Sociologia da Universidade de São Paulo, vol. 11, nº 1, p. 75-95, maio 1999.

GUIMARÃES, A. S. A. Classes, raças e democracia. São Paulo: Editora 34, 2002.

GUIMARÃES, A. S. A. Raça e os estudos de relações raciais no brasil. Dans: Novos estudos. São Paulo: CEBRAP, nº 54, juil. 1999.

HARRIS, M. Patterns of race in the Americas. Reprint. New York: The Norton Library, 1974.

HASENBALG, C. A.; MUNANGA, Kabengele; SCHWARCZ, Lília Moritz. Racismo: perspectivas para um estudo contextualizado da sociedade brasileira. Niterói, Rio de Janeiro: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1998.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. 4. ed. rev. pelo autor. Brasília: Universidade de Brasília, 1963.

HOLANDA, S. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KAUFMANN, R. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? Uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos EUA e no Brasil. Porto Alegre: Livraria dos Advogados, 2007.

LEITE, M. Retrato molecular do Brasil. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 mar. 2000. Editorial Mais!, Seção Ciência. 2000, p. 26-28.

LUCRÉCIO, F. Depoimento. Dans BARBOSA, M. (Org.). Frente negra brasileira: Depoimentos. São Paulo: Quilombohoje, 1998.

MAGGIE, Y. O medo do feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1992.

MAGNOLI, D. Uma gota de sangue. História sobre o pensamento racial. São Paulo: Contexto, 2009.

NOGUEIRA, O. Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetinga. Apresentação e edição de Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

OLIVEIRA V.. Raça e assimilação. Os problemas da raça. Os problemas da assimilação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1932.

OLIVEIRA, D. et al. (Org.). A cor do medo. Brasília: Editora da UnB; Goiânia: Editora da UFG, 1998.

PENA, S D. “Receita para uma humanidade desracializada”. Ciência Hoje Online, septembre 2006.

PRADO, P. Retrato do Brasil. Ensaio sobre a tristeza brasileira. Carlos Augusto Calil (Org.). 2ª reim. da 8. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

RAMOS, A. O folclore negro do Brasil. Demopsicologia e psicanálise. 2. ed. ilust. e rev. Rio de Janeiro: Livraria Editora da Casa do Estudante, 1935.

REBELO, A. Um homem que entendeu o Brasil. Dans: REBELO, Aldo (et. al). Gilberto Freyre e a formação do Brasil. Brasília: Câmara dos Deputados, 2000.

RIBEIRO, R. Religião e relações raciais. Prefácio de Gilberto Freyre. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1956.

RODRIGUES, N. Os africanos no Brasil. Revisão e prefácio de Homero Pires. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1932.

ROMERO, S. A poesia popular no Brasil. Dans: Revista Brasileira. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras. Tomo I, 1879.

SILVA JR., H. Do racismo legal ao princípio da ação afirmativa: a lei como obstáculo e como instrumento dos direitos e interesses do povo negro. Dans: HUNTLEY, Lynn; GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. (Orgs.) Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

SILVA, José B. de A. e. Projetos para o Brasil. Organização Miriam Dolhnikoff. São Paulo: Compania das Letras, 1998.

SILVA, S. C.. Gilberto Freyre, “O Pornógrafo de Recife” Dans: CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. (Org.). Minorias silenciadas. História da censura no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

SOUZA, J. A elite do atraso. Da escravidão à Lava-jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SOUZA, J. Aula “Como o Racismo cultural, de classe e de raça criou o Brasil moderno”. Disponible sur: https://www.youtube.com/watch?v=wnRVmn2b-w0. Consulté le 15 mai 2021.

SOUZA, J. Multiculturalismo, Racismo e Democracia. Por que comparar Brasil e Estados Unidos? Dans: SOUZA, Jessé. (Org.). Multiculturalismo e racismo. Uma comparação Brasil-Estados Unidos. Brasília: Paralelo 15, p. 23-35, 1997.

SOUZA, J. Prefácio. Dans: SOUZA, Jessé (Org). O malandro e o protestante. A tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

VENTURI, G.; TURRA, C. (Org.). Racismo cordial. Folha de São Paulo/Datafolha. A mais completa análise sobre o preconceito de cor no Brasil. São Paulo: Ática, 1995.

VIANNA, H. Equilíbrio de Antagonismos. Folha de São Paulo, São Paulo. 12 mar. 2000. Editorial Mais!

WEGNER, R. Os EUA e a fronteira na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Dans: SOUZA, Jessé (Org). O malandro e o protestante. A tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999, p. 237 a 238.

WEINBERG, M. O Brasil das oportunidades. Revista Veja. São Paulo: Abril, Edição nº 1.815. Ano 36, nº 32, p. 66-77, 13 août 2003, p. 66-77.

Publicado

2023-08-22

Como Citar

POULLET, Y.; KAUFMANN, R. F. M. LA CORRÉLATION ENTRE LES MYTHES DE LA DÉMOCRATIE RACIALE ET DE LA CORDIALITÉ DANS LA FORMATION DE L’IDENTITÉ BRÉSILIENNE – DISCRIMINATIONS POSITIVES ET QUOTAS SOCIAUX. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 50, n. 154, p. 525–562, 2023. Disponível em: https://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1375. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA ESTRANGEIRA
Loading...