SOBRE JUÍZES E LEIS: TEORIA DO DIREITO E HERMENÊUTICA NO CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO BRASILEIRO

SOBRE JUÍZES E LEIS: TEORIA DO DIREITO E HERMENÊUTICA NO CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO BRASILEIRO

Autores

Resumo

ON JUDGES AND LAWS: THEORY OF LAW AND HERMENEUTICS IN THE BRAZILIAN SOCIO-POLITICAL CONTEXT

ÁREA(S): teoria do direito; hermenêutica jurídica; direito constitucional.

RESUMO: O direito, como conjunto de regras sociais positivadas pelo Estado como forma de regular a sociedade, enfrenta, ao longo da história, o sério dilema sobre como estruturar um modelo coerente e harmônico em seu processo de aplicação. Nesse campo, os positivistas e os pós-positivistas elaboraram teorias dos direitos que propõem diferentes equações e instrumentos direcionados para atender, da melhor forma possível, esse objetivo. O presente trabalho analisa, de modo crítico e comparativo, as distintas estruturas jurídicas propostas por cada uma das referidas vertentes jurídicas, tendo como finalidade alcançar uma compreensão acerca das suas virtudes e deficiências no processo de interpretação e aplicação das normas jurídicas no contexto sociopolítico brasileiro. No campo metodológico, adotou-se o método hipotético-dedutivo, por meio das técnicas de pesquisa comparativa, histórica, bibliográfica, documental e monográfica para a realização da investigação.

ABSTRACT: The Law, as a set of social rules edited by the State as a means of regulating society faces throughout history the serious dilemma on how to structure a coherent and harmonious model in the application process. In this field, the positivists and postpositivism developed theories of rights that propose different targeted equations and instruments to meet the best possible way this goal. This paper analyzes the critical and comparative way the different legal structures proposed by each of these legal aspects, and aims to reach an understanding about their strengths and weaknesses in the process of interpretation and application of legal norms in the Brazilian socio-political context. In the methodological field, the hypothetical-deductive method was adopted, using the techniques of comparative, historical, bibliographic, documentary and monographic research to carry out the investigation.

PALAVRAS-CHAVE: positivismo; pós-positivismo; teoria do direito; hermenêutica.

KEYWORDS: positivism; postpositivism; law theory; hermeneutics.

SUMÁRIO: Introdução; 1 A hermenêutica positivista: de Hans Kelsen a Herbert L. A. Hart; 2 Os ideais pós-positivistas: regras e princípios, direito e valor; 3 O panorama jurídico-social brasileiro entre o positivismo e o pós-positivismo; Considerações finais; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 Positivist hermeneutics: from Hans Kelsen to Herbert L. A. Hart; 2 Post-positivist ideals: rules and principles, law and value; 3 The Brazilian legal-social panorama between positivism and post-positivism; Final considerations; References.

Biografia do Autor

Ricardo Oliveira Rotondano, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Doutor em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UnB). Docente do Mestrado em Estudos Culturais, Memória e Patrimônio e do Curso de Direito da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Antonio Fernandes Neves Junior, Faculdade de Tecnologia e Ciências (Jequié, Bahia, Brasil).

Pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal pelo Centro Universitário Uniseb (UNISEB). Docente do Curso de Direito da Faculdade de Tecnologia e Ciências (Jequié, Bahia, Brasil). Supervisor do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos, unidade Jequié/BA. Controlador da Câmara de Vereadores do Município de Jequié/BA.

Referências

ALEXY, R. Teoria da argumentação jurídica. Tradução: Zilda Hutchinson Schild Silva. São Paulo: Landy, 2001.

ALEXY, R. Teoria discursiva do Direito. 2. ed. Tradução: Alexandre Travessoni Gomes Trivisonno. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

AMORIM, L. B. Sobre a pretensão de correção da lei injusta. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 43, n. 171, pp. 285-296, jul./set. 2006.

AUSTIN, J. The province of jurisprudence determined. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

BARROSO, L. R. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito. (O triunfo tardio do direito constitucional no Brasil). Revista Eletrônica sobre a Reforma do Estado (RERE), Salvador, Instituto Brasileiro de Direito Público, n. 9, mar./abr./maio. 2007.

BARROSO, L. R. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BENTHAM, J. Of Laws in general. London: Athlone Press, 1970.

BERCOVICI, G. Carl Schmitt, o Estado total e o guardião da Constituição. Revista Brasileira de Direito Constitucional, n. 1, pp. 195-201, jan./jun. 2003.

BONAVIDES, P. Ciência política. 10. ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

BRASIL. A Câmara e o cidadão: um guia para conhecer e participar do processo legislativo. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2011.

BRASIL. Boletim estatístico. Superior Tribunal de Justiça, Poder Judiciário, Brasília, 2014.

BRASIL. Boletim estatístico. Superior Tribunal de Justiça, Poder Judiciário, Brasília, 2015.

BRASIL. Boletim estatístico. Superior Tribunal de Justiça, Poder Judiciário, Brasília, 2016.

BURGARELLI, R. Campanhas gastaram R$ 5 bilhões em 2014. Estadão, São Paulo, 1º dez. 2014.

BUSTAMANTE, T. A breve história do positivismo descritivo. O que resta do positivismo jurídico depois de H. L. A. Hart? Revista Novos Estudos Jurídicos – Eletrônica, v. 20, n. 1, pp. 307-327, jan./abr. 2015.

CAMPANERUT, C.; MOTTA, S. Ao som do hino, manifestantes são detidos em manifestação contra Sarney. Último Segundo – IG, Brasília, 13 ago. 2009.

CHAMY, C. H. O que faz da Noruega o país mais democrático do mundo? BBC Brasil, 31 jan. 2015.

CITTADINO, G. Poder Judiciário, ativismo judiciário e democracia. ALCEU, v. 5, n. 9, pp. 105-113, jul./dez. 2004.

DALEY, S. Swedes Begin to question liberal migration tenets. The New York Times, Malmo, 26 feb. 2011.

DMITRUK, E. J. O que é Direito? Uma análise a partir de Hart e Dworkin. Revista Jurídica da UNIFIL, a. I, n. 1, pp. 71-89, 2004.

DWORKIN, R. Hard cases. Harvard Law Review, v. 88, n. 6, pp. 1057-1109, apr. 1975.

DWORKIN, R. Law’s empire. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

DWORKIN, R. Levando os direitos a sério. Tradução: Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DWORKIN, R. O império do Direito. 2. ed. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FERNANDES, G. O sentido da filosofia política: um estudo acerca do debate Dworkin-Hart entre direito como integridade e poder discricionário dos juízes. 2009. 92 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

FERNANDES, R. V. de C.; BICALHO, G. P. D. Do positivismo ao pós-positivismo jurídico: o atual paradigma jusfilosófico constitucional. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 48, n. 189, pp. 105-131, jan./mar. 2011.

FINNIS, J. Lei natural e direitos naturais. Tradução: Leila Medes. São Leopoldo: Unisinos, 2007.

GOMES, A. T. O fundamento de validade do direito em Kant e Kelsen. 2. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, 2004.

HART, H. L. A. O conceito de direito. 3. ed. Tradução: A. Ribeiro Mendes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2001.

KELSEN, H. Teoria geral do Direito e do Estado. 3. ed. Tradução: Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

KELSEN, H. Teoria pura do Direito. 6. ed. Tradução: João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LADEGAARD, I. Norway’s problem with immigration. Science Nordic, 28 jan. 2013.

LISBOA, M. M. G. O conceito de democracia em Hans Kelsen. 2006. 122 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

LIXA, I. F. M. Hermenêutica & Direito. Curitiba: Juruá, 2005.

LOBO, L. F. A expansão dos poderes judiciários. Psicologia & Sociedade, n. 24, pp. 25-30, 2012.

MACHADO, T. R. de C. Judicialização da saúde: analisando a audiência pública no Supremo Tribunal Federal. Revista Bioética, v. 22, n. 3, pp. 561-568, 2014.

MAIA, P. S. P. Forma e unidade como condições de uma ciência pura: a influência do neokantismo de Masburgo no “primeiro” Hans Kelsen. Sequência, Florianópolis, n. 60, pp. 195-224, jul. 2010.

MARTINS, J. V. N. Juridicidade e justiça de transição. 2013. 172 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

MELLO, B.; FERREIRA, P. Eduardo Cunha é principal alvo de protestos no Rio, que são embalados por funk. O Globo, 17 abr. 2016.

MENDES, G. F. et al. Curso de direito constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

NARDELLI, A.; ARNETT, G. Why are anti-immigration parties so strong in the Nordic states? The Guardian, 19 jun. 2015.

NASCIMENTO, A.; MARCEL, Y. Casais gays dão “beijaço” e Marco Feliciano cancela ida a evento no AC. Portal G1, Rio Branco, 3 out. 2015.

OLIVEIRA JR., J. A. de. Casos difíceis no pós-positivismo. In: BOUCAULT, C. E. de A.; RODRIGUEZA, J. R. (org.). Hermenêutica plural: possibilidades jusfilosóficas em contextos imperfeitos. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ONOFRE, R. Manifestantes pedem impeachment de Renan Calheiros em Copacabana. O Globo, Rio de Janeiro, 24 fev. 2013.

PEREIRA, C. Quanto gastaram na campanha os deputados estaduais e federais eleitos pelo RS. Portal ZH, Porto Alegre, 10 nov. 2014.

PEREIRA, M. M. de L. M. Juízo de ponderação na jurisdição constitucional: uma análise da ADPF 54 – aborto de anencéfalos. 2014. 118 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito do Sul de Minas, Pouso Alegre, 2014.

PERLATTO, F. A Constituição de 1988: um marco para a história da nova república brasileira. Contemporâneos – Revista de Artes e Humanidades, n. 3, nov./abr. 2009.

PICCOLO, C. H. B. A moral e o conceito de direito em H. L. A. Hart. 2011. 129 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PINTO, H. P. A expansão do Supremo Tribunal Federal através da judicialização da política e do ativismo judicial: da aplicação da Constituição à assunção de poderes constituintes. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2015.

RAZ, J. The morality of freedom. New York: Oxford University Press, 1988.

RAZ, J. Pratical reason and norms. New York: Oxford University Press, 2002.

ROTONDANO, R. O. Da coisa julgada e sua desconsideração: a justiça como finalidade processual primordial. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, v. 10, n. 2, pp. 840-870, jan./abr. 2015.

ROTONDANO, R. O. O reconhecimento jurídico da união homoafetiva no Brasil: ponderações filosófico-sociológicas. Cientefico, Fortaleza, v. 15, n. 30, pp. 29-44, jan./jun. 2015.

SANTOS, B. de S. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. Tradução: Mouzar Benedito. São Paulo: Boitempo, 2007.

SILVA, J. A. L. da. Conheça os países mais (e menos) corruptos do mundo. Portal InfoMoney, São Paulo, 4 dez. 2013.

SILVA, L. F. M. da. Amicus curiae, direito e ação afirmativa. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 7, n. 76, pp. 70-78, dez. 2005/jan. 2006.

STOLSZ, S. Um modelo de positivismo jurídico: o pensamento de Herbert Hart. Revista Direito GV, v. 3, n. 1, pp. 101-120, jan./jun. 2007.

STRECK, L. L. Aplicar a “letra da lei” é uma atitude positivista? Revista NEJ – Eletrônica, v. 15, n. 1, pp. 158-173, jan./abr. 2010.

STRECK, L. L. O (pós)positivismo e os propalados modelos de juiz (Hércules, Júpiter e Hermes) – dois decálogos necessários. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, Vitória, n. 7, pp. 15-45, jan./jun. 2010.

STRECK, L. L. O que é isto – Decido conforme minha consciência? Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

TOCQUEVILE, A. de. A democracia na América. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

TOLEDO, J. R. de; BURGARELLI, R. Candidatos eleitos gastam em média 11 vezes mais que não eleitos. Estadão, São Paulo, 7 nov. 2014.

TRIGO, L. Sem corrupção nem mordomias, políticos suecos são eleitos para servir. Portal G1, 21 set. 2014.

VALE, A. R. do. Aspectos do neoconstitucionalismo. Revista Brasileira de Direito Constitucional, n. 9, pp. 67-77, jan./jun. 2007.

Downloads

Publicado

2022-10-16

Como Citar

ROTONDANO, R. O.; NEVES JUNIOR, A. F. SOBRE JUÍZES E LEIS: TEORIA DO DIREITO E HERMENÊUTICA NO CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO BRASILEIRO. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 49, n. 152, p. 293–324, 2022. Disponível em: https://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1141. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...