DIREITO FUNDAMENTAL À SAÚDE PSICOLÓGICA: VULNERABILIDADE, CONSENTIMENTO E CIDADANIA SOB O PRISMA JURÍDICO-BIOÉTICO

DIREITO FUNDAMENTAL À SAÚDE PSICOLÓGICA: VULNERABILIDADE, CONSENTIMENTO E CIDADANIA SOB O PRISMA JURÍDICO-BIOÉTICO

Autores

Resumo

FUNDAMENTAL RIGHT TO PSYCHOLOGICAL HEALTH: VULNERABILITY, CONSENT AND CITIZENSHIP UNDER THE LEGAL-BIOETHICAL PRISM

ÁREA(S) DO DIREITO: direito constitucional; bioética.

RESUMO: A saúde psicológica (ou saúde mental) é um direito fundamental bioético. Inúmeras implicações surgem a respeito de tão delicado tema, em especial no que tange à vulnerabilidade e ao consentimento dos pacientes sem saúde psicológica plena. Isso porque a cidadania e a dignidade da pessoa humana estão imbricadas em tal conjugação valorativa, haja vista a impossibilidade jurídico-bioética de se tratar os pacientes como objetos. O movimento da Reforma Psiquiátrica, neste contexto, tem adesão pelo Brasil, ensejando ações estatais no sentido de estabelecer uma normatização e a formulação de políticas públicas em prol da população com transtorno psicológico, mormente com o escopo de desconstruir a ideologia que conferia prevalência ao manicômio. Portanto, objetiva-se indagar como a saúde psicológica é tratada no cenário jurídico-bioético brasileiro sob o ponto de vista da vulnerabilidade e do consentimento dos pacientes, com base em uma pesquisa qualitativa, tendo como método de abordagem o dedutivo, por meio de pesquisa bibliográfica e legislativa sobre o tema, utilizando-se do método de procedimento monográfico.

PALAVRAS-CHAVE: cidadania; consentimento; direito fundamental; saúde mental; vulnerabilidade.

ABSTRACT: Psychological health (or mental health) is a bioethical fundamental right. Many implications arise regarding a such delicate subject, particularly with regard to vulnerability and consent of patients without full psychological health. This is because the citizenship and human dignity are intertwined in such evaluative combination, given the legal and bioethical impossibility of treating patients as objects. The movement of the psychiatric reform, in this context, has membership for Brazil, allowing for state actions to establish a regulation and the formulation of public policies for people with psychological disorders, mainly with the aim of deconstructing the ideology that gave precedence to the madhouse. Therefore, the objective is to investigate how psychological health is treated in the Brazilian legal-bioethical scenario from the point of view of vulnerability and consent of patients, based on a qualitative research, with the deductive method of approach, through literature and legislative research on the topic, using the monographic method of procedure.

KEYWORDS: citizenship; consent; fundamental right; mental health; vulnerability.

SUMÁRIO: Introdução; 1 A saúde psicológica; 2 Saúde psicológica, consentimento e vulnerabilidade; 3 Cidadania, dignidade da pessoa humana e saúde psicológica; 4 Saúde psicológica como direito fundamental bioético; 5 Internação e saúde psicológica; Considerações finais; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 The psychological health; 2 Psychological health, consent and vulnerability; 3 Citizenship, dignity of the human person and psychological health; 4 Psychological health as a bioethical fundamental right; 5 Hospitalization and psychological health; Final considerations; References.

Biografia do Autor

Maria Claudia Crespo Brauner

Professora adjunta do curso de Graduação em Direito e do Mestrado em Direito e Justiça Social da Faculdade de Direito e do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Doutora em Direito pela Université de Rennes I – França. Pós-Doutora na Universidade de Montreal 1 – Canadá.

Luciano Roberto Gulart Cabral Júnior

Mestrando em Direito e Justiça Social no Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Bacharel em Direito pela Faculdade Anhanguera do Rio Grande.

Referências

ALMEIDA, Eduardo Henrique Rodrigues de. Dignidade, autonomia do paciente e doença mental. Revista Bioética, v. 18, n. 2, 2010.

ALMEIDA, Leonor Duarte de. Suscetibilidade: novo sentido para a vulnerabilidade. Revista Bioética, v. 18, n. 3, 2010.

AMARANTE, Paulo. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

APARISI, Juan Carlos Siurana. Los principios de la bioética y el surgimiento de una bioética intercultural. Veritas, n. 22, mar. 2010.

BACKES, Dirce Stein; LUNARDI, Valéria Lerch; LUNARDI FILHO, Wilson Danilo. A humanização hospitalar como expressão ética. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 14, n. 1, jan./fev. 2006.

BERGERET, Jean. A personalidade normal e patológica. Trad. Alceu Edir Fillmann. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.

BERLINCK, Manoel Tosta; MAGTAZ, Ana Cecília; TEIXEIRA, Mônica. A Reforma Psiquiátrica brasileira: perspectivas e problemas. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 11, n. 1, mar. 2008.

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria De Lourdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. 13. ed. ref. e amp. 3. tir. São Paulo: Saraiva, 1999.

BRAUNER, Maria Claúdia Crespo; CIGNACHI, Janaina Cristina Battistelo. O direito à saúde e o papel do Poder Judiciário: uma perspectiva acerca das dimensões constitucionais e das tutelas coletivas. Juris, Rio Grande, v. 16, 2011.

______; ZARO, Luciana. Saúde e meio ambiente: fatores condicionantes para a concretização do direito à saúde. Juris, Rio Grande, v. 17, 2012.

CONSELHO DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS DE CIÊNCIAS MÉDICAS. Diretrizes éticas internacionais para a pesquisa bioética em seres humanos. Trad. Maria Stela Gonçalves e Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

CRUZ, Márcio Rojas da; TRINDADE, Etelvino de Souza. Bioética de intervenção: uma proposta epistemológica e uma necessidade para sociedades com grupos sociais vulneráveis. Revista Brasileira de Bioética, v. 2, n. 4, 2006.

DEMO, Pedro. Cidadania tutelada e cidadania assistida. Campinas: Autores Associados, 1995.

ENGELHARDT JR., H. Tristram. Fundamentos da bioética. São Paulo: Loyola, 1998.

FELÍCIO, Jônia Lacerda; PESSINI, Leo. Bioética da proteção: vulnerabilidade e autonomia dos pacientes com transtornos mentais. Revista Bioética, v. 17, n. 2, 2009.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad. Paulo Quintela. In: Crítica da razão pura e outros textos filosóficos. São Paulo: Editor Victor Civita, 1974. p. 195-256.

MAIA, Rousiley Celi Moreira; FERNANDES, Adélia Barroso. O movimento antimanicomial como agente discursivo na esfera pública política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 48, fev. 2002.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MEDEIROS, Soraya Maria de; GUIMARÃES, Jacileide. Cidadania e saúde mental no Brasil: contribuição ao debate. Ciência & Saúde Coletiva, v. 7, n. 3, 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Fact sheet nº 220: Strengthening Mental Health Promotion. World Health Organization: Geneva, 1999.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 4. ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

SCHRAMM, Fermin Roland. Bioética da proteção: ferramenta válida para enfrentar problemas morais na era da globalização. Revista Bioética, v. 16, n. 1, 2008.

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. Trad. João Carlos Todorov e Rodolfo Azzi. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

BRAUNER, M. C. C.; CABRAL JÚNIOR, L. R. G. DIREITO FUNDAMENTAL À SAÚDE PSICOLÓGICA: VULNERABILIDADE, CONSENTIMENTO E CIDADANIA SOB O PRISMA JURÍDICO-BIOÉTICO. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 44, n. 142, p. 227–244, 2017. Disponível em: https://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/698. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...