DESINFORMAÇÃO NA ERA DIGITAL

DESINFORMAÇÃO NA ERA DIGITAL

Autores

Resumo

DESINFORMATION IN THE DIGITAL AGE

ÁREA(S): direito constitucional; direito público.

RESUMO: O artigo analisa o fenômeno da desinformação e suas repercussões na política e na sociedade em geral. Busca, de início, definir o conceito de desinformação, dissociando-o de outros tipos de informação falsa ou imprecisas. Observa que o fenômeno aumentou de proporção com o desenvolvimento e a popularização das redes sociais, que permitiu a qualquer indivíduo que disponha de acesso à Internet ser criador e disseminador de conteúdo informativo. O aumento exponencial do compartilhamento de informações deliberadamente falsas trouxe, como consequência, um “declínio da verdade” no debate público, lançando-nos no que se já se denominou de Era da Pós-Verdade. Fundamental para bem compreender o problema da desinformação e buscar soluções para ele é compreender porque as pessoas acreditam tão facilmente em informações falsas. Pesquisas na área de psicologia têm trazido contribuições importantes para a compreensão do fenômeno. A desinformação tem se tornado particularmente danosa nos campos da saúde pública e da política. Conclui o texto com observações sobre formas de enfrentamento do grave problema da desinformação.

ABSTRACT: The article analyzes the phenomenon of disinformation and its repercussions on politics and society in general. It seeks, at first, to define the concept of disinformation, dissociating it from other types of false or inaccurate information. It observes that the phenomenon has increased in proportion with the development and popularization of social networks, which have allowed any individual with access to the Internet to be the creator and disseminator of informational content. The exponential increase in the sharing of deliberately false information brought, as a consequence, a “decline of truth” in the public debate, throwing us into what has already been called the Post-Truth Era. Fundamental to fully understanding the problem of misinformation and seeking solutions to it is to understand why people so readily believe false information. Research in psychology has brought significant contributions to the understanding of the phenomenon. Misinformation has become particularly damaging in the fields of public health and politics. The text concludes with observations on ways to deal with the severe problem of misinformation.

PALAVRAS-CHAVE: desinformação; informações falsas; fake news; pós-verdade; liberdade de expressão; redes sociais; mídias sociais.

KEYWORDS: disinformation; misinformation; fake news; post-truth; freedom of expression; social networks; social media.

SUMÁRIO: Introdução; 1 Informação falsa e desinformação; 2 O risco de danos a terceiros; 3 Pós-verdade. Quando os fatos já não importam; 4 As diversas faces da desinformação; 5 Por que acreditamos tão facilmente em fake news?; 6 Dissonância cognitiva e viés de confirmação; 7 Câmaras de eco e polarização de grupo; 8 A mentira se dissemina mais rapidamente do que a verdade; 9 Cascata informacional, comportamento de rebanho e homofilia; 10 Filtros digitais; 11 Anti-intelectualismo. O culto à ignorância; 12 Desinformação em tempos de pandemia; 13 Desinformação e democracia; 14 Regular ou não regular as redes sociais, eis a questão; Considerações finais; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 False information and misinformation; 2 The risk of harm to third parties; 3 Post-truth. When facts no longer matter; 4 The different faces of misinformation; 5 Why do we believe so easily in fake news?; 6 Cognitive dissonance and confirmation bias; 7 Echo chambers and group polarization; 8 A lie spreads faster than the truth; 9 Informational cascade, herd behavior and homophily; 10 Digital filters; 11 Anti-intellectualism. The cult of ignorance; 12 Disinformation in times of pandemic; 13 Disinformation and democracy; 14 To regulate or not to regulate social networks, that is the question; Final considerations; References.

Biografia do Autor

André Gustavo Corrêa de Andrade, Universidade Estácio de Sá, UNESA

Desembargador (TJRJ, Rio de Janeiro/RJ, Brasil). Doutor em Direito pela Universidade Estácio de Sá – Unesa (2018), Mestre em Direito pela Unesa (2013), Graduado em Direito pela Universidade Cândido Mendes (1984), Professor do Programa de Pós-Graduação da Unesa, Professor Conferencista da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ), Presidente do Fórum Permanente de Liberdade de Expressão, Liberdade de Imprensa e Mídias Sociais da EMERJ, Pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Liberdade de Expressão, Liberdade de Imprensa e Mídias Sociais (NUPELEIMS) da EMERJ, Vice-Presidente do Fórum Permanente de Pesquisas Acadêmicas – Interlocução do Direito e das Ciências Sociais, Membro do Fórum Permanente de Hermenêutica e Decisão da EMERJ, Membro do Fórum Permanente de Pós-Humanismo e Defesa dos Animais da EMERJ, Membro do Fórum Permanente dos Direitos das Pessoas com Deficiência.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ARENDT, H. Verdade e política. Texto integrante da sua obra Entre o Passado e o Futuro. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

ASIMOV, I. A cult of ignorance. Newsweek, 21 jan. 1988. Disponível em: https://aphelis.net/wp-content/uploads/2012/04/ASIMOV_1980_Cult_of_Ignorance.pdf. Acesso em: 10 nov. 2022.

ÇELEN, B.; KARIV, S. Distinguishing Informational Cascades from Herd Behavior in the Laboratory. Disponível em: https://eml.berkeley.edu/~kariv/CK_II.pdf.

DESTRI, M. D. D. Minimalismo judicial: alternativa democrática de atuação do Poder Judiciário em uma sociedade pluralista a partir da perspectiva de Cass R. Sunstein. Dissertação de Mestrado, 2009. p. 41. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/93202/274135.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 11 nov. 2022.

DOTEY, A.; ROM, H.; VACA, C. Information diffusion in Social Media. Disponível em: https://eml.berkeley.edu/~kariv/CK_II.pdf. Acesso em: 10 nov. 2022.

FESTINGER, L. A Theory of Cognitive Dissonance. Stanford: University Press, 1957.

HAN, B.-C. No Enxame. Reflexões sobre o digital. Lisboa: Relógio D’Água, 2016.

HOFSTADTER, R. Anti-intellectualism in American Life. Alfred A. Knopf (editor), 1963.

HUANG, E.; DORSEY, J.; MOSTELLER, C.; CHEN, E. Understanding Anti-intellectualism in the US. Studio ATAO, 2021. Disponível em: https://www.studioatao.org/post/understanding-anti-intellectualism-in-the-u-s#viewer-er08. Acesso em: 10 nov. 2022.

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

KAHNEMAN, D. Rápido e devagar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

KAVANAGH, J.; RICH, M. D. Truth Decay: Na Initial Exploration of the Diminishing Role of Facts and Analysis in American Life. Rand Corporation, 2018.

LEVINE, T. R. DUPED: Truth-default Theory and the Social Science of Lying and Deception. University Alabama Press, 2019.

MARANHÃO, J.; CAMPOS, R. Fake news e autorregulação regulada das redes sociais no Brasil: fundamentos constitucionais. In: Fake news e regulação. São Paulo: Thomson Reuters, 2020.

MCPHERSON, M.; SMITH-LOVIN, L.; COOK, J. M. Birds of a feather: Homophily in social networks. Annual Review of Sociology, 27(1):415-444, 2001.

MILL, J. S. Sobre a liberdade. Tradução: Pedro Madeira. Lisboa: Edições 70, 2016.

MODGIL, S.; SINGH, R. K.; GUPTA, S.; DENNEHY, D. A confirmation bias view on social media induced polarisation during Covid-19. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/10.1007/s10796-021-10222-9.pdf. Acesso em: 11 nov. 2022.

NICHOLS, T. The Death of Expertise: The Campaign Against Established Knowledge and Why it Matters. Oxford: University Press, 2017.

ORWELL, G. 1984. 29. ed. Tradução: Wilson Velloso. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2004.

PANTAZI, M.; KLEIN, O.; KISSINE, M. Is Justice Blind or Myopic? Judgement & Decision Making, v. 15, n. 2, mar. 2020.

PARISIER, E. O filtro invisível: o que a Internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

RECUERO, R.; GRUZD, A. Cascatas de fake news políticas: um estudo de caso no Twitter. Disponível em: https://www.scielo.br/j/gal/a/Kvxg4btPzLYdxXk77rGrmJS/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 10 nov. 2022.

SOUZA, C. A.; TEFFÉ, C. S. Fake news e eleições: identificando e combatendo a desordem internacional. In: Fake news e regulação. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2021.

SUNSTEIN, C. R. Liars. Falsehoods and Free Speech in an Age of Deception. Oxford: University Press, 2021.

SUNSTEIN, C. #Republic. Divided Democracy in the Age of Social Media. Princeton: University Press, 2017.

SUNSTEIN, C. Conformity: The Power of Social Influences. New York: University Press, 2019.

VOSOUGHI, S.; ROY, D.; ARAL, S. The Spread of True and False News Online, 2018. Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/359/6380/1146. Acesso em: 10 nov. 2022.

WARDLE, C.; DERAKHSHAN, H. Journalism, fake news and Disinformation. Disponível em: https://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/bitstream/handle/bdtse/6339/2018_ireton_journalism_fake_news.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 nov. 2022.

ZUBOFF, S. The Age of Surveillance Capitalism: The Fight for a Human Future at the New Frontier of Power. 1. ed. Public Affairs, 2019.

Publicado

2023-05-23

Como Citar

ANDRADE, A. G. C. de. DESINFORMAÇÃO NA ERA DIGITAL. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 49, n. 153, p. 37–66, 2023. Disponível em: https://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1333. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...