DIREITOS SOCIAIS E CORPORATIVISMO: O NASCIMENTO DA CIDADANIA REGULADA NO BRASIL DE VARGAS (1930-1945)

DIREITOS SOCIAIS E CORPORATIVISMO: O NASCIMENTO DA CIDADANIA REGULADA NO BRASIL DE VARGAS (1930-1945)

Autores

Resumo

SOCIAL RIGHTS AND CORPORATIVISM: THE BIRTH OF REGULATED CITIZENSHIP IN VARGAS’ BRAZIL (1930-1945)

ÁREA(S): direito constitucional; história constitucional; história do pensamento jurídico; direitos sociais.

RESUMO: O presente artigo busca descortinar e fornecer elementos de compreensão sobre como se operou a consolidação dos direitos sociais no Brasil durante a Era Vargas. Visto que esse processo foi marcado pela ascensão das ideias corporativistas típicas do entreguerras no Brasil e no mundo, trata-se de itinerário de pesquisa marcado pela contextualização dessas construções jurídicas em seu ambiente histórico, qual seja, um período marcado pelos autoritarismos e pelos totalitarismos. Pretende-se explicar, em detalhes, como os direitos sociais foram concebidos nas doutrinas jurídicas, proporcionando-se, assim, substrato para se compreender o papel dos direitos sociais no contexto contemporâneo.

ABSTRACT: The present article seeks to unveil and provide elements of comprehension of how social rights were consolidated in Brazil during the Vargas Era. Since this process was marked by the rise of the corporativist ideas typical of the inter-war period in Brazil and worldwide, this is a research itinerary marked by the contextualization of these legal constructions in their historical time, a period marked by authoritarianism and totalitarianism. It is intended to explain in detail how social rights have been conceived in legal doctrines, thus providing a substrate for understanding the role of social rights in the contemporary context.

PALAVRAS-CHAVE: direitos sociais; teoria constitucional; Era Vargas; corporativismo.

KEYWORDS: social rights; constitutional theory; Vargas Regime; corporativism.

SUMÁRIO: Introdução; 1 A criação de um estado corporativo brasileiro; 2 Direitos sociais e corporativismo; 3 A criação de uma cidadania regulada; Conclusão; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 The creation of a Brazilian corporative state; 2 Social rights and corporativism; 3 The creation of a regulated citizenship; Conclusion; References.

Biografia do Autor

Luis Rosenfield, PUC, Porto Alegre/RS, Brasil

Doutor em Direito (Unisinos, Porto Alegre/RS, Brasil). Professor Adjunto do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da PUCRS. Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestrado em Direito pela Faculdade Meridional (IMED). Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). É líder do “Grupo de Pesquisa História das Ideias e História Intelectual (GHI)” (CNPq-PUCRS) e participa, desde 2017, do grupo de pesquisa “Autoritarismo e corporativismo em perspectiva comparada” (CNPq-PUCRS). Suas pesquisas estão centradas no estudo do autoritarismo brasileiro no campo da História das Ideias Políticas e da História do Pensamento Constitucional no período do entreguerras.

Draiton Gonzaga de Souza, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil

Doutor em Direito (UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil). Bacharel em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Direito (PUCRS) e em Teologia (PUCRS). Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutor em Filosofia (Universidade de Kassel, Alemanha). Licenciado em Filosofia (FAFIMC) e tem habilitação para a docência da língua alemã (UFRGS). Realizou pós-Doutorado na Universidade de Tübingen (Prof. Dr. Otfried Höffe) e no Hegel-Archiv, da Universidade de Bochum (Prof. Dr. Walter Jaeschke), como bolsista da Fundação Alexander von Humboldt. Recebeu, em 2003, prêmio do DAAD e, em 2013, da Fundação Alexander von Humboldt (Humboldt-Alumuni-Preis) devido ao engajamento na cooperação acadêmica Brasil-Alemanha. Professor Titular e Decano da Escola de Humanidades da PUCRS, atuando, na graduação e na pós-graduação, como Professor Permanente no PPG em Filosofia, no PPG em Direito e no PPG em Ciências Criminais da PUCRS. Advogado, Tradutor Público e Intérprete Comercial concursado para o idioma alemão e Vice-Diretor do CDEA (Centro de Estudos Europeus e Alemães – UFRGS-PUCRS-DAAD). Foi agraciado pelo Governo Federal da Alemanha com a Bundesverdienstkreuz am Bande (Cruz da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha), em 2021.

Referências

ALEXANDRE, F. Theoria e pratica do syndicalismo (com instruções e modelos para o pedido de reconhecimento, de conformidade com o Decreto nº 24.694, de 12 de julho de 1934). Rio de Janeiro: A. Coelho Branco, 1935.

ALVIM, D. F. Uma nova concepção do Direito e o corporativismo. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1934.

AMADO, G. Eleição e representação. Rio de Janeiro: Officina Industrial Graphica, 1931.

ANTUNES, J. P. A philosophia da ordem nova: a questão social e a sua solução. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

ANTUNES, J. P. A philosophia do Estado moderno. São Paulo: [s.l.], 1934.

AUGUSTO, J. A representação profissional nas democracias. Rio de Janeiro: Paulo, Pongetti & Cia., 1932.

BARROSO, G. Comunismo, cristianismo e corporativismo. Rio de Janeiro: Empresa Editora ABC Limitada, 1938.

CAMPOS, F. A consolidação jurídica do regime (entrevista concedida à imprensa, em 28 de julho de 1939). In: CAMPOS, F. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília: Senado Federal, 2001 [1940].

CASTRO, A. A Constituição de 1937. Prefácio de Inocêncio Mártires Coelho. Brasília: Senado Federal, 2003.

CASTRO, A. Justiça do Trabalho. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1941.

CEPÊDA, V. A. Trajetórias do corporativismo no Brasil: teoria social, problemas econômicos e efeitos políticos. In: ABREU, L. A. de; SANTOS, P. B. (org.). A era do corporativismo: regimes, representações e debates no Brasil e em Portugal. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 99-149, 2017.

COTRIM NETO, A. B. Doutrina e formação do corporativismo (Gênese da instituição – Estados corporativos modernos – Economia corporativa – A corporação e o Brasil). Rio de Janeiro: A. Coelho Branco, 1938.

FERREIRA, W. M. Justiça do Trabalho. Revista do Trabalho, Rio de Janeiro, n. 5, p. 233-236, 1937.

FERREIRA, W. M.. Princípios de legislação social e de direito judiciário do trabalho. São Paulo: São Paulo Editora Limitada, v. I, 1938.

GARRIDO, Á. Queremos uma economia nova! Estado Novo e corporativismo. Lisboa: Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2016.

GENTILE, F. O fascismo como modelo: incorporação da “Carta del lavoro” na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930. Mediações, Londrina, v. 19, n. 1, p. 94, jan./jun. 2014.

GOMES, Â. de C. Autoritarismo e corporativismo no Brasil: intelectuais e construção do mito Vargas. In: MARTINHO, F. C. P.; PINTO, A. C. (org.). O corporativismo em português: Estado, política e sociedade no salazarismo e no varguismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 91-100, 2007.

GOMES, Â. de C. Burguesia e trabalho: política e legislação social no Brasil (1917-1937). 2. ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.

INCISA, L. Corporativismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. (org.). Dicionário de política. 13. ed. Brasília: UnB, v. 1, p. 287-291, 2007.

LIMA, A. A. Indicações políticas: da Revolução à Constituição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.

MACIEL, A. B. O Estado corporativo. Porto Alegre: Globo, 1936.

MELLO, O. de. Republica Syndicalista dos Estados Unidos do Brazil. 2. ed. Rio de Janeiro: Typ. Terra e Sol, 1931.

MEM DE SÁ. O corporativismo no campo da economia. Porto Alegre: Globo, 1942.

NUNES, J. de C. Da Justiça do Trabalho no mecanismo jurisdiccional do regime: ensaio de uma systematização doutrinária. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 41, suplemento, p. 447-459, jan./mar. 1937.

PINTO, A. C. Corporativismo, ditaduras e representação política autoritária. In: PINTO, A. C.; MARTINHO, F. P. (org.). A onda corporativa: corporativismo e ditaduras na Europa e na América Latina. Rio de Janeiro: FGV, p. 27-29, 2016.

PINTO, A. C. O corporativismo nas ditaduras da época do fascismo. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 3, n. 52, p. 21, jan./abr. 2014.

REALE, M. Corporativismo e unidade nacional. In: REALE, M. Obras políticas (1ª fase – 1931-1937). Brasília: Universidade de Brasília, t. III, p. 235-242, 1983 [1936].

RIQUELME, S. F. La Era del corporativismo. La representación jurídico-política del trabajo en la Europa del siglo XX. Revista de Estudios Histórico-Jurídicos, Valparaíso, n. XXXI, 2009.

SALGADO, P. A doutrina do sigma. 2. ed. Rio de Janeiro: Schmidt, 1937 [1935].

SANTOS, W. G. dos. Cidadania e justiça: a política social na ordem brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1987.

SCHIERA, P. Il corporativismo: concetti storici. In: MAZZACANE, A.; SOMMA, A.; STOLLEIS, M. (hrsg.). Korporativismus in den südeuropäischen Diktaturen. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, p. 35-48, 2005.

SCHMITTER, P. Portugal: do autoritarismo à democracia. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 1999.

SCHMITTER, P. Still the Century of corporatism? The Review of Politics, Notre Dame, v. 36, n. 1, p. 86-88, 1974.

SILVA, F. T. da. The Brazilian and Italian Labor Courts: comparative notes. International Review of Social History, Amsterdam, v. 55, n. 3, p. 381-412, 2010.

SILVEIRA, T. da. Estado corporativo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1937.

TRINDADE, H. Ação Imperial Patrionovista. In: ABREU, A. A. de (org.). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República: 1889-1930. Rio de Janeiro: FGV, 2015.

VIANNA, O. A política social da revolução brasileira. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 37, n. 84, p. 51-53, out./dez. 1940.

VIANNA, O. Constituição e unidade sindical. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 36, n. 79, p. 233-235, jul./set. 1939.

VIANNA, O. O cidadão do Estado Novo. In: VIANNA, O. Ensaios inéditos. Campinas: Unicamp, p. 373-377, 1991.

VIANNA, O. O conceito da convenção collectiva no direito positivo brasileiro: exegese da al. ‘j’ do art. 121 da Constituição. Archivo Judiciario, Rio de Janeiro, v. 44, p. 69-76, out./dez. 1937.

VIANNA, O. O papel das corporações administrativas no estado moderno. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 34, n. 72, p. 501-511, out./dez. 1937.

VIANNA, O. Problemas de direito corporativo. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 1983 [1938].

VIANNA, O. Problemas de política objetiva. 2. ed. São Paulo: Companhia Editorial de São Paulo, 1947 [1930].

VIEIRA, P. Organização profissional: corporativismo e representação de classes. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1933.

VISCARDI, C. M. R. A representação profissional na Constituição de 1934 e as origens do corporativismo no Brasil. In: PINTO, A. C.; MARTINHO, F. P. (org.). A onda corporativa: corporativismo e ditaduras na Europa e na América Latina. Rio de Janeiro: FGV, 2016. p. 199-221.

Publicado

2023-05-23

Como Citar

ROSENFIELD, L.; SOUZA, D. G. de. DIREITOS SOCIAIS E CORPORATIVISMO: O NASCIMENTO DA CIDADANIA REGULADA NO BRASIL DE VARGAS (1930-1945). Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 49, n. 153, p. 269–290, 2023. Disponível em: https://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1242. Acesso em: 4 jun. 2023.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...