DEMOCRACIA, PODER JUDICIÁRIO E REFORMA DA PREVIDÊNCIA (EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 103/2019): ANÁLISE DA (IN)CONSTITUCIONALIDADE DAS NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA POR INCAPACIDADE PERMANENTE SOB A ÓTICA DA RESERVA DE JUSTIÇA DE OSCAR VILHENA VIEIRA

DEMOCRACIA, PODER JUDICIÁRIO E REFORMA DA PREVIDÊNCIA (EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 103/2019): ANÁLISE DA (IN)CONSTITUCIONALIDADE DAS NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA POR INCAPACIDADE PERMANENTE SOB A ÓTICA DA RESERVA DE JUSTIÇA DE OSCAR VILHENA VIEIRA

Autores

Resumo

DEMOCRACY, JUDICIARY AND SOCIAL SECURITY REFORM (CONSTITUTIONAL AMENDMENT Nº 103/2019): ANALYSIS OF THE (UN)CONSTITUTIONALITY OF THE NEW RULES FOR PERMANENT DISABILITY RETIREMENT FROM THE PERSPECTIVE OF OSCAR VILHENA VIEIRA’S JUSTICE RESERVE

ÁREA(S): direito constitucional; direito previdenciário.

RESUMO: Trata-se de artigo científico que analisa a (in)constitucionalidade da nova sistemática de cálculo do benefício previdenciário de aposentadoria por incapacidade permanente, trazida pela Emenda Constitucional nº 103/2019. Para esse fim, o método adotado é o dedutivo, aplicando-se as técnicas de pesquisa bibliográfica à doutrina e à pesquisa documental. Inicia expondo as ideias de Oscar Vilhena Vieira sobre o conteúdo das cláusulas pétreas no constitucionalismo democrático. Em seguida, analisa o contexto da Reforma da Previdência e a nova sistemática de cálculo da aposentadoria por incapacidade permanente. Depois, descreve a decisão da Turma Regional de Uniformização da 4ª Região e faz uma análise da (in)constitucionalidade da nova sistemática de cálculo, na perspectiva do constitucionalismo democrático. Enfim, conclui que essa mudança normativa está no âmbito do autogoverno da maioria e se trata de uma decisão racional do poder constituinte derivado, que não viola a reserva de justiça constitucional e por isso merece ser preservada pelo Poder Judiciário, em homenagem à democracia.

ABSTRACT: The paper analyzes the (un)constitutionality of the new calculation system for the permanent disability retirement, brought by Constitutional Amendment nº 103/2019. For this purpose, the method adopted is deductive, applying the techniques of bibliographic research to the doctrine and documental research. It begins by exposing Oscar Vilhena Vieira’s ideas about the content of the stony clauses in democratic constitutionalism. It then analyzes the context of the Social Security Reform and the new system for calculating permanent disability retirement. Then, it describes the decision of the Regional Uniformization Court of the 4th Region and makes an analysis of the (un)constitutionality of the new calculation system, from the perspective of democratic constitutionalism. Finally, it concludes that this normative change is within the scope of majority self-government and it is a rational decision of the derived constituent power, which does not violate the reserve of constitutional justice and therefore deserves to be preserved by the Judiciary, in honor of democracy.

PALAVRAS-CHAVE: democracia; Poder Judiciário; cláusulas pétreas; emenda constitucional; aposentadoria por incapacidade permanente.

KEYWORDS: democracy; Judiciary; stone clauses; constitutional amendment; permanent disability retirement.

SUMÁRIO: Introdução; 1 Democracia x constitucionalismo: Oscar Vilhena Vieira e a reserva de justiça constitucional; 2 A Reforma da Previdência (Emenda Constitucional nº 103/2019); 3 O Poder Judiciário e as novas regras de aposentadoria por incapacidade permanente; Conclusão; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 Democracy x constitutionalism: Oscar Vilhena Vieira and the reservation of constitutional justice; 2 Pension Reform (Constitutional Amendment 103/2019); 3 The Judiciary and the new decisions on retirement due to permanent incapacity; Conclusion; References.

Biografia do Autor

Roberto Luis Luchi Demo, IDP, Brasília/DF, Brasil

Doutorando em Direito Constitucional (IDP, Brasília/DF, Brasil). Juiz Federal da Terceira Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais da Bahia. Mestre em Direito Constitucional pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP-DF).

Referências

AGOSTINHO, T. V.; SALVADOR, S. H.; SILVA; R. L. A fragilidade argumentativa do déficit como justificativa central da proposta de reforma da previdência social (PEC 06/2019) e seus reflexos no ideário da efetividade dos direitos fundamentais. Revista Juris Plenum Previdenciária, Caxias do Sul/RS, a. VII, n. 27, p. 109-132, ago. 2019.

BARCELLOS, A. P. de. Legitimação dos Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

BORGES DE SOUSA FILHO, A. O controle de constitucionalidade das emendas constitucionais: cláusulas pétreas, graus de deferência ao Poder Constituinte derivado e defesa da democracia em contextos de retrocesso democrático. Aula doutorado Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa – IDP-DF, 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Justiça em números 2021. Brasília: CNJ, 2021.

BRASIL. Exposição de motivos da Proposta de Emenda Constitucional nº 06/2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Projetos/ExpMotiv/REFORMA%202019/ME/2019/00029.htm. Acesso em: 12 maio 2022.

BRASIL. Instituto Nacional do Seguro Social. Manual Técnico de Perícia Médica Previdenciária. Brasília: Instituto Nacional do Seguro Social, 2018, p. 26-27. Disponível em: https://www.saudeocupacional.org/v2/wp-content/uploads/2018/03/Manual-T%C3%A9cnico-de-Per%C3%ADcia-M%C3%A9dica-2018.pdf. Acesso em: 12 maio 2022.

CASTRO, C. A. P. de; LAZZARI, J. B. Manual de direito previdenciário. 20. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

COUTINHO, A. R. Retrocesso social em tempos de crise ou haverá esperança para o direito do trabalho? Uma análise da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Rev. TST, São Paulo, v. 83, n. 3, p. 17-58, jul./set. 2017.

DEMO, R. L. L. O “estado da arte” da solução dos conflitos previdenciários no Brasil. Revista Brasileira de Direito Previdenciário, Porto Alegre, a. XI, n. 66, p. 98-121, dez./jan. 2022.

FREITAS, M. C. de. A reforma da previdência e a vedação ao retrocesso social a partir da Convenção Americana sobre Direitos Humanos de 1969. Revista Científica Disruptiva, Recife, v. I, n. 3, p. 41-56, jul./dez. 2019. Disponível em: http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/46/26. Acesso em: 14 nov. 2021.

GRIMM, D. The role of fundamental rights after sixty-five years of Constitutional Jurisprudence in Germany. International Journal of Constitutional Law 13, n. 1, p. 9-29, jan. 2015.

HORVATH JÚNIOR, M.; MÉDICI, F. H. Direitos previdenciários e o princípio da justiça intergeracional. Revista Juris Plenum: Previdenciária, Caxias do Sul, v. 7, n. 28, p. 67-86, nov. 2019.

LEAL, G. P. A (re)construção dos direitos sociais no século XXI: entre a progressividade, a estabilidade e o retrocesso. Revista de Informação Legislativa, Brasília, v. 53, n. 211, p. 143-166, jul./set. 2016.

MACEDO, A. da C. A educação previdenciária no contexto das reformas da previdência pública brasileira: uma hipótese lógico-indutiva sob as perspectivas filosóficas de Pierre Bourdieu e de Michel Foucault. Revista do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Brasília. v. 32, n. 01, p. 29-43, abr. 2020. Disponível em: https://revista.trf1.jus.br/trf1/article/view/158/121. Acesso em: 8 nov. 2021.

MACHADO, J. Direito internacional: do paradigma clássico ao pós-11 de setembro. 4. ed. Coimbra: Coimbra, 2013.

MENDES, G. F. Jurisprudência de crise e pensamento do possível: caminhos constitucionais. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-abr-11/observatorio-constitucional-jurisprudencia-crise-pensamento-possivel-caminhos-solucoes-constitucionais. Acesso em: 14 nov. 2021.

NASSAR, E. B. Previdência social na era do envelhecimento. São Paulo: Saraiva, 2014, e-book.

OLIVEIRA, F. A. G. de. Justiça e igualdade em Ronald Dworkin: o leilão hipotético e a divisão igualitária de recursos. Revista Redescrições, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 23-29, 2011. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Redescricoes/article/view/15207. Acesso em: 7 maio 2022.

SANTOS, E. S. F. dos; MALISKA, M. A. A Reforma da Previdência (PEC nº 06/2019) e a justiciabilidade dos direitos econômicos, sociais e culturais no âmbito do direito internacional. Revista Brasileira de Direito Previdenciário, Porto Alegre, n. 52, p. 38-59, ago./set. 2019.

SARLET, I. W. Os direitos fundamentais (sociais) e a assim chamada proibição de retrocesso: contributo para uma discussão. Revista do Instituto de Direito Brasileiro da Faculdade de Direito de Lisboa (RIDB), v. 2, n. 1, p. 769-820, 2013.

SHAPIRO, M.; SWEET, A. S. On law, politics and judicialization. New York: Oxford University Press, 2002.

STRAPAZZON, C. L. A dança dos números da previdência social: revisitando a auditoria do TCU de 2017. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], Joaçaba, v. 20, n. 1, p. 137-172, jan./jun. 2019. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/espacojuridico/article/view/12749/12495. Acesso em: 10 nov. 2021.

THOMPSON, L. Mais velha e mais sábia: a economia dos sistemas previdenciários. Tradução: Celso Barroso Leite. Brasília: MPAS, 2000.

THORNHILL, C. Crise democrática e direito constitucional global. Tradução: Diógenes Moura Breda e Glenda Vicenzi. São Paulo: Contracorrente, 2021, e-book.

VERMEULE, A. Law’s Abnegation. Cambridge: Harvard University Press, 2016.

VIEIRA, O. V. A Constituição como reserva de justiça. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 42, p. 53-97, 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ln/a/Y8JcyfSfzxsjsQSSwqyKHsN/?lang=pt. Acesso em: 22 abr. 2022.

ZBUCKA-GARGAS, M.; ROCHA, C. I. da. The constitutional hermeneutic of labour reform as a necessary instrument for decent labour. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 24, n. 132, p. 22-42, fev./abr. 2022.

Publicado

2023-05-23

Como Citar

DEMO, R. L. L. DEMOCRACIA, PODER JUDICIÁRIO E REFORMA DA PREVIDÊNCIA (EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 103/2019): ANÁLISE DA (IN)CONSTITUCIONALIDADE DAS NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA POR INCAPACIDADE PERMANENTE SOB A ÓTICA DA RESERVA DE JUSTIÇA DE OSCAR VILHENA VIEIRA. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 49, n. 153, 2023. Disponível em: http://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1316. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...