AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: FUNCIONALIDADES E COGNIÇÃO

AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: FUNCIONALIDADES E COGNIÇÃO

Autores

  • Felipe Fröner

Resumo

ACTION FOR HOMOLOGATION OF FOREIGN JUDGMENT: FUNCTIONALITY AND COGNITION

RESUMO: Considerando as questões trazidas no contexto da interconexão entre distintos espaços de solução de conflitos, o presente estudo analisa a funcionalidade e a estrutura do juízo cognitivo da ação de homologação de sentença estrangeira. Primeiramente, observa-se a referida ação como instrumento afetado a proporcionar adequada articulação e comunicação entre distintos espaços de solução de conflitos, significando, pela sua só previsão abstrata, possibilidade de reconhecimento de decisões estrangeiras. Após, analisam-se aspectos da técnica cognitiva da aludida ação, para perceber que o juízo de delibação não abstrai completamente, quer garantias processuais, quer questões de mérito vinculadas à decisão alienígena, estruturando sistema de controle concreto do reconhecimento abstrato da legitimidade estrangeira para decidir litígios, segundo profundidades cognitivas diferenciadas em função do grau deste reconhecimento.

PALAVRAS-CHAVE: Ação de homologação de sentença estrangeira; funcionalidades; cognição; delibação.

ABSTRACT: Considering the questions raised in the context of interconnection between different spaces of conflict resolution, this study examines the functionality and structure of the cognitive judgment of the action for approval of a foreign judgment. First, we observed such action as an instrument affected to provide adequate coordination and communication between different spaces of conflict resolution, meaning, only by its abstract prediction, possibility of recognition of foreign judgments. After, we analyze aspects of the cognitive technique of this suit, to realize that the judgment of delibação do not abstract completely procedural safeguards or substantive issues related to the foreign decision, structuring a system of concrete control of the abstract recognition of the foreign legitimacy to decide disputes, according to different depths of cognition depending on the degree of this recognition.

KEYWORDS: Action for approval of a foreign judgment; functionalities; cognition; delibação.

SUMÁRIO: Introdução; 1 Modelos de justificação da eficácia extraterritorial da sentença estrangeira; 2 Ação de homologação e possibilidade de reconhecimento; 3 Legitimidade estrangeira para decidir litígios; 4 Técnicas processuais de tratamento de decisões estrangeiras; 5 A técnica cognitiva da delibação; Considerações finais; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 Models to justify the extraterritorial efficacy of a foreign judgment; 2 Action for approval and the possibility of recognition; 3 Foreign legitimacy to decide disputes; 4 Procedural techniques for the treatment of foreign judgments; 5 The cognitive technique of delibação; Final considerations; References.

Referências

ABBUD, André de Albuquerque Cavalcanti. Homologação de sentenças arbitrais estrangeiras. Coleção Atlas de Processo Civil. Coord. Carlos Alberto Carmona. São Paulo: Atlas, 2008.

ALEXY, Robert. Theorie der Grundrechte. 2. Aufl., Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1994. Tradução espanhola: Teoria de los derechos fundamentales. Tradução de Ernesto Garzón Valdés. Madri: Centro de Estudos Constitucionales, 1997.

ARAÚJO, Nádia de. Direito internacional privado: teoria e prática brasileira. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Comentários ao código de processo civil: Lei n° 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Artigos 476 a 565. 11. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, v. V, 2003.

BENDA, Ernesto. El estado social de derecho. In: BENDA, Ernesto et al. Manual de derecho constitucional. Madrid: Marcial Pons, 1996.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. 10. ed. rev. e ampl. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

BOUCAULT, Carlos Eduardo de Abreu. Homologação de sentença estrangeira e seus efeitos perante o STF. São Paulo: Juarez de Oliveira, 1999.

CANOTILHO, J. J. Gomes. “Brancosos” e interconstitucionalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional. 2. ed. Coimbra: Edições Almedina S.A., 2008.

CASTRO, Amílcar de. Direito internacional privado. Rio de Janeiro: Forense, v. II, 1956.

COMISSÃO. Código Modelo de Cooperação Interjurisdicional para a Ibero-América. Revista da Magistratura Regional Federal da 2ª Região, v. 11, n. 1, mar. 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2012.

FEITOSA, Maria Luiza Pereira de Alencar Mayer. Paradigmas inconclusos: os contratos entre a autonomia privada, a regulação estatal e a globalização dos mercados. Coimbra: Coimbra, 2007.

FRÖNER, Felipe. O regime jurídico da coisa julgada material no contexto do paradigma contemporâneo do Direito Constitucional e Processual Civil Brasileiro. Processos Coletivos, Porto Alegre, v. 3, n. 2, 1º abr. 2012. Disponível em: <http://www.processoscoletivos.net/ve_artigo.asp?id=103>. Acesso em: 6 jun. 2012.

GRECO FILHO, Vicente. Homologação de sentença estrangeira. São Paulo: Saraiva, 1978.

LEIVAS, Paulo Roberto Cogo. Teoria dos direitos fundamentais sociais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

MITIDIERO, Daniel Francisco. Por uma nova teoria geral da ação: as orientações unitárias e a orientação dualista da ação. In: MITIDIERO, Daniel Francisco; ZANETI JÚNIOR, Hermes. Introdução ao estudo do processo civil: primeiras linhas de um paradigma emergente. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2004.

SANTANA JÚNIOR, Gilson A. de; ROXO, Hugo L. C.; SILVA, Jaylla Maruza R. S. A filosofia hermenêutica de Gadamer e o direito: redesenhando horizontes metodológicos. In: ROCHA, Airton Schramm. Metodologia da pesquisa em direito e a filosofia. São Paulo: Saraiva, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang. Os direitos fundamentais sociais como “cláusulas pétreas”. Interesse Público, 17, p. 56-74, 2003.

SCHAPIRO, Mario Gomes. Repensando a relação entre Estado, Direito e desenvolvimento: os limites do paradigma rule of law e a relevância das alternativas institucionais. Revista Direito GV, São Paulo, p. 213-252, jan./jul. 2010, p. 217. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rdgv/v6n1/11.pdf>. Acesso em: 28 de maio 2012.

SILVA, Ovídio A. Baptista da. Processo e ideologia: o paradigma racionalista. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

STJ. Resolução nº 9, de 4 de maio de 2005. Dispõe, em caráter transitório, sobre competência acrescida ao Superior Tribunal de Justiça pela Emenda Constitucional nº 45/2004. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/SCON/legislacao/doc.jsp?livre=cartas+rogat%F3rias&&b=LEGI&p=true&t=&l=20&i=1>. Acesso em: 6 jun. 2012.

STRENGER, Irineu. Direito internacional privado. 4. ed. São Paulo: LTr, 2000.

TEUBNER, Guinter. Globale Zivilverfassungen: Alternativen zur staatszentrierten Verfassungstheorie. ZaöRV, 1/2001.

WATANABE, Kazuo. Da cognição no processo civil. 2. ed. atual. Campinas: Bookseller, 2000.

Downloads

Como Citar

FRÖNER, F. AÇÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: FUNCIONALIDADES E COGNIÇÃO. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 40, n. 130, p. 191–222, 2013. Disponível em: http://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/296. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...