POLÍTICA E PROMOTORIA PÚBLICA NO SEGUNDO REINADO: AS MEMÓRIAS DE DUNSHEE DE ABRANCHES

POLÍTICA E PROMOTORIA PÚBLICA NO SEGUNDO REINADO: AS MEMÓRIAS DE DUNSHEE DE ABRANCHES

Autores

Resumo

POLICY AND PUBLIC MINISTRY IN THE SECOND KINGDOM: THE MEMORIES OF DUNSHEE DE ABRANCHES

ÁREA(S): história do direito; direito constitucional; Ministério Público.

RESUMO: Este artigo, que adota uma abordagem histórica, discorre sobre a obra memorialista A esfinge do Grajaú, escrita em 1941 por Dunshee de Abranches: um dos principais comentadores políticos da República Velha, mas que em 1888 era um jovem promotor público que aspirava entrar na política. No intuito de apurar um suposto crime ocorrido em Barra do Corda, na província do Maranhão, que vitimou um juiz de direito, Dunshee de Abranches foi nomeado pelo governo provincial e para lá rumou, observando e tomando nota do ambiente político e da prática jurídica então adotada. O texto objetiva analisar como o cargo de promotor público, que nos oitocentos era de importância reduzida, tornou-se uma via de acesso importante à política, demonstrando-se como era cobiçado por grande parte da mocidade instruída. Dunshee de Abranches aproveita a oportunidade e, décadas depois, entrega aos pósteros um livro singular que discorre sobre a política e o cotidiano de uma promotoria pública no final do Império brasileiro.

ABSTRACT: This article, which takes a historical approach, discusses the memoirist work A esfinge do Grajaú, written in 1941 by Dunshee de Abranches: one of the main political commentators of the Old Republic, but who in 1888 was a young public prosecutor who aspired to enter politics. To investigate an alleged crime that took place in Barra do Corda, in the province of Maranhão, which victimized a judge of law; Dunshee de Abranches was appointed by the provincial government and headed there, observing and taking note of the political environment and legal practice then adopted. The text aims to analyze how the position of public prosecutor, which in the 1800s was of reduced importance, became an important access route to politics, demonstrating how it was coveted by a large part of educated youth. Dunshee de Abranches seizes the opportunity and, decades later, delivers a unique book about the politics and daily life of a public prosecutor’s office at the end of the Brazilian Empire.

PALAVRAS-CHAVE: Ministério Público; Promotoria Pública; política.

KEYWORDS: Public Ministry; Public Prosecutor’s Office; Policy.

SUMÁRIO: Introdução; 1 A Promotoria Pública no Brasil Imperial; 2 Disputas políticas e testemunhos de promotores públicos no século XIX; 3 Dunshee de Abranches e A esfinge do Grajaú: um promotor público na província do Maranhão; Conclusão; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 The Public Prosecutor’s Office in Imperial Brazil; 2 Political disputes and testimonies of public prosecutors in the 19th century; 3 Dunshee de Abranches and A esfinge do Grajaú: a public prosecutor in the province of Maranhão; Conclusion; References.

Biografia do Autor

Sérgio Reis Coelho, MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ (MPPI)

Doutor e mestre em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Especialista em sociologia política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); em direito penal e criminologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); em direito penal econômico e europeu pela Universidade de Coimbra - Portugal (FDUC) e em direitos humanos pelo Instituto Interamericano de Direitos Humanos (IIDH) - Costa Rica. Graduado em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Promotor de justiça do Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI). Titular da 1ª Promotoria de Justiça de José de Freitas-PI.

Referências

ABRANCHES, Dunshee. A esfinge do Grajaú. São Luís: Alumar, 1993.

______. O cativeiro. São Luís: Alumar, 1992.

ALMEIDA JUNIOR, João Mendes de. O processo criminal brasileiro. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1959.

BUENO, José Antônio Pimenta. Apontamentos sobre o processo criminal brasileiro. Rio de Janeiro: Imprenza Nacional do Diario, 1857. Disponível em: https://sistemas.stf.jus.br/dspace/xmlui/handle/123456789/373. Acesso em: 11 maio 2021.

BRASIL. Coleção de Leis do Império do Brasil (1808-1889). Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/colecao-anual-de-leis. Acesso em: 11 maio 2021.

______. Lei de 29 de novembro de 1832. Promulga o Codigo do Processo Criminal de primeira instancia com disposição provisoria ácerca da administração da Justiça Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim-29-11-1832.htm. Acesso em: 11 maio 2021.

______. Lei nº 261, de 3 de dezembro de 1841. Reformando o Codigo do Processo Criminal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim261.htm. Acesso em: 11 maio 2021.

______. Lei nº 2033, de 20 de setembro de 1871. Altera diferentes disposições da legislação judiciária. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM2033.htm. Acesso em: 11 maio 2021.

BRASILIENSE, Américo. Os programas dos partidos e o Segundo Império. Brasília: Senado Federal, 1979.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem. Teatro das sombras. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

CASALECHI, José Ênio. O Partido Republicano paulista: política e poder (1889-1926). São Paulo: Brasiliense, 1987.

CELSO, Affonso. Oito anos de Parlamento: reminiscências e notas. Brasília: Senado Federal, 1998.

LUZ, Joaquim Vieira. Dunshee de Abranches e outras figuras. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1954.

MACHADO, Luiz Toledo. Formação do Brasil e unidade nacional. São Paulo: Ibrasa, 1980.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO. Correspondência ativa dos promotores públicos do Império: 1868-1871. São Luís: Procuradoria Geral de Justiça, 2010.

______. Correspondência ativa dos promotores públicos do Império: 1882-1885. São Luís: Procuradoria Geral de Justiça, 2019.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO. Promotores públicos. O cotidiano em defesa da legalidade: as questões judiciais. Coleção Construindo a Cidadania. Recife: Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano, 2002.

OLIVEIRA, Albino José Barbosa de. Memórias de um magistrado do Império. São Paulo: Brasiliana, 1943.

PORTUGAL. Ordenações Manuelinas. Coimbra: Na Real Imprensa da Universidade, 1797. Disponível em: https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/17841. Acesso em: 11 maio 2021.

______. Codigo Philippino, ou, Ordenações e leis do Reino de Portuga: recopiladas por mandado d’El-Rey D. Philippe I. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/242733. Acesso em: 11 maio 2021.

REIS, Isaac Martins. Collegio Popular. Diário do Maranhão: Jornal do Commercio, Lavoura e Indústria. São Luís, 1883. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=720011&pagfis=14490. Acesso em: 11 maio 2021.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e sociedade no Brasil colonial – O Tribunal Superior da Bahia e seus desembargadores, 1609-1751. Trad. Berilo Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

TRIPOLI, Cesar. História do Direito brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1936.

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

COELHO, S. R. POLÍTICA E PROMOTORIA PÚBLICA NO SEGUNDO REINADO: AS MEMÓRIAS DE DUNSHEE DE ABRANCHES. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 48, n. 150, p. 285–316, 2021. Disponível em: http://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1210. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...