A JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO TRATAMENTO DE CONFLITOS ENTRE TESTEMUNHAS E EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ: UMA PROPOSTA

A JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO TRATAMENTO DE CONFLITOS ENTRE TESTEMUNHAS E EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ: UMA PROPOSTA

Autores

Resumo

RESTORATIVE JUSTICE AS TREATMENT OF CONFLICTS BETWEEN WITNESSES AND JEHOVAH’S EX-WITNESSES: A PROPOSAL

ÁREA(S): direitos difusos e coletivos.

RESUMO: O presente trabalho tem como tema o tratamento de conflitos decorrentes de manifestações de intolerância religiosa sofridas por desassociados da Congregação Testemunhas de Jeová. A pesquisa teve como fonte primacial o arcabouço fático-jurídico disponível nos autos de processos cíveis e criminais ajuizados em Fortaleza, capital do estado do Ceará. Mostra-se relevante diante dos impactos psicológicos decorrentes da ruptura das relações sociais/familiares impostas pelo regramento emanado da congregação a seus fiéis, no trato com ex-associados. Diante de tudo isso, em que medida utilizar a justiça restaurativa como possibilidade e transformação na solução de conflitos entre desassociados da Congregação Testemunhas de Jeová e seus membros? Como hipótese, a justiça restaurativa pode, sim, ser eficaz no tratamento e na transformação do conflito entre desassociados e Testemunhas de Jeová, oportunizando equilíbrio social, visando à autonomia e à efetividade e promovendo responsabilidade ativa. O objetivo geral foi examinar a justiça restaurativa como possível forma de tratamento do conflito entre Testemunhas e ex-Testemunhas de Jeová a partir dos fundamentos de fato e de direito que culminaram com a Ação Civil Pública nº 0009385-57.2011.4.05.8100 perante a 8ª Vara Federal de Fortaleza. Os objetivos específicos: a) demonstrar a exclusão e os efeitos da exclusão de Testemunhas de Jeová da congregação, a partir dos fatos trazidos, principalmente, na ação civil pública; b) apresentar os fundamentos de direito considerados para indeferimento do reconhecimento de intolerância religiosa apontada; e c) averiguar a possibilidade de tratamento do conflito por meio da justiça restaurativa. Configura-se uma pesquisa exploratória. O método utilizado foi o de pesquisa bibliográfica, harmonizada com a coleta de dados documentais. Por fim, concluiu-se pela viabilidade da adoção do instituto, destacando-se sua efetividade na minoração de conflitos.

ABSTRACT: The present work has as its theme the treatment of conflicts resulting from manifestations of religious intolerance suffered by those disfellowshipped from the Congregation of Jehovah’s Witnesses. The research had as a primary source the factual-legal framework available in the civil and criminal lawsuits filed in Fortaleza, capital of the state of Ceará. It is relevant in view of the psychological impacts resulting from the rupture of social/family relations imposed by the rules issued by the congregation to its faithful, in dealing with former members. Given all of this, to how use restorative justice as a possibility and transformation in resolving conflicts between disfellowshipped members of the Congregation of Jehovah’s Witnesses and their members? As a hypothesis, restorative justice can be effective in treating and transforming the conflict between disfellowshipped and Jehovah’s Witnesses, providing social balance, seeking autonomy and effectiveness and promoting active responsibility. The general objective was to examine restorative justice as a possible way of dealing with the conflict between Witnesses and ex-Jehovah’s Witnesses based on the factual and legal grounds that culminated in public civil action No. 0009385-57.2011.4.05.8100 before the 8ª Vara Federal de Fortaleza. The specific objectives: a) to demonstrate the exclusion and effects of the exclusion of Jehovah’s Witnesses from the congregation, based on the facts brought, mainly, in the public civil action; b) present the foundations of law considered for the rejection of the recognition of religious intolerance pointed out; and c) investigate the possibility of treat with the conflict through restorative justice. This is an exploratory research. The method used was a bibliographic search, harmonized with the collection of documentary data. Finally, it was concluded that the adoption of the institute is viable, highlighting its effectiveness in mitigating conflicts.

PALAVRAS-CHAVE: justiça restaurativa; Testemunhas de Jeová; tratamento de conflitos.

KEYWORDS: restorative justice; Jehovah’s Witnesses; conflict handling.

SUMÁRIO: Introdução; 1 Fundamentos de fato e de direito; 2 A possibilidade do tratamento do conflito por meio da justiça restaurativa comunitária; Conclusão; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 Fundamentals of fact and of law; 2 Possibility of treating the conflict through Community Restorative Justice; Conclusion; References.

Biografia do Autor

Roberta Marina Cioatto, Centro Universitário Paraíso do Ceará

Doutoranda em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Professora da Faculdade Paraíso do Ceará.

Ávila de Carvalho Lima, Centro Universitário Paraíso do Ceará

Graduada em Direito pelo Centro Universitário Paraíso do Ceará

Referências

AÇÃO civil pública por discriminação religiosa. Diário do Nordeste, 29 jul. 2011. Disponível em: <https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/metro/acao-civil-publica-por-discriminacao-religiosa-1.604318>. Acesso em: 14 set. 2020.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. [Versão Kindle].

ARAÚJO, Mayara Carvalho. Justiça Restaurativa Comunitária: análise de efetividade a partir do Programa Conjunto da ONU em Contagem/MG. Belo Horizonte: Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, 2019. Disponível em: <https://www.academia.edu/39603314/Justi%C3%A7a_Restaurativa_Comunit%C3%A1ria_an%C3%A1lise_de_efetividade_a_partir_do_Programa_Conjunto_da_ONU_em_Contagem-MG>. Acesso em: 5 nov. 2019.

BARRA, Suely Ribeiro. Movimentos religiosos contemporâneos na América Latina: o movimento religioso das Testemunhas de Jeová. Sacrilegens, Juiz de Fora, v. 7, n. 1, p. 142-162, 2010 – S. Barra. Disponível em: <http://www.ufjf.br/sacrilegens/files/2011/02/7-12.pdf>. Acesso em: 3 nov. 2020.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. 1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 12 mar. 2020.

______. Tribunal Regional Federal (5ª Região). Apelação Cível nº 536761/CE (0009385-57.2011.4.05.8100). Apelante: Ministério Público Federal. Apelada: Associação Torre de Vigia de Bíblia e Tratados e Associação Bíblica e Cultural de Fortaleza. Relator: Desembargador Federal Lázaro Guimarães, 5 de junho de 2012, em Recife/PE. 2012.

______. Supremo Tribunal Federal. Recurso Especial nº 187.874/CE. Ação Penal nº 0099059.04.2009.8.06.0001. Recorrente: Ministério Público do Estado do Ceará. Recorridos: Francisco Ribeiro Rebouças Júnior e Fernando Andrade Chagas. Relator: Ministro Marco Aurélio Bellizze, 27 de setembro de 2013, em Brasília/DF. 2013.

______. Supremo Tribunal Federal. Recurso Especial nº 1151953. Ação de Indenização por Danos Morais nº 500269-54.2011.8.06.0001. Recorrente: Sebastião Ramos de Oliveira. Recorrido: Associação Torre de Vigia de Bíblia e Tratados e Associação Bíblica e Cultural de Fortaleza. Relator: Ministro Roberto Barroso, 17 de agosto de 2018, em Brasília/DF. 2018.

CAMARGO, José Aparecido. Teoria dos sistemas: autopoiese e alopoiese. Trabalho publicado nos Anais do XVIII Congresso Nacional do CONPEDI, realizado em São Paulo/SP nos dias 4, 5, 6 e 7 de novembro de 2009, p. 3152-3191. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/sao_paulo/2456.pdf>. Acesso em: 27 out. 2020.

CARVALHO, Mayara; BELO, Elaine Cristina da Silva; JERÔNIMO, Lucas. Comunicação não-violenta, diálogos e reflexões. Instituto Pazes. Horizonte/MG, 2020. Disponível em: <https://www.academia.edu/42643426/Comunica%C3%A7%C3%A3o_N%C3%A3o-Violenta_Di%C3%A1logos_e_reflex%C3%B5es_Instituto_Pazes_Apresenta_Livro_1>. Acesso em: 25 maio 2020.

CATROGA, Fernando. O laicismo e a questão religiosa em Portugal. (1865-1991). Análise social. 1988. Disponível em: <http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223029596W8bRF8ng3Ap22XN2.pdf>. Acesso em: 23 out. 2020.

CEARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (6ª Vara Criminal da Comarca de Fortaleza). HC 40832-87.2010.8.06.0000/0. Ação Penal. Impetrante: Francisco Ribeiro Rebouças Júnior e Fernando Andrade Chagas. Impetrado: Sebastião Ramos de Oliveira. Fortaleza. Relator: Francisco Pedrosa Teixeira, 31 de agosto de 2010, em Fortaleza/CE. 2010.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (8ª Vara Criminal da Comarca de Fortaleza). Ação Civil Pública nº 0009385-57.2011.4.05.8100l. Promovente: Ministério Público Federal. Promovidas: Associação de Bíblia e Tratados e da Associação Bíblica e Cultural de Fortaleza. Fortaleza. Juiz: Ricardo Cunha Porto, 16 de novembro de 2011, em Fortaleza/CE. 2011a.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (5ª Câmara Cível Fortaleza). Apelação Cível. Ação de Indenização por Danos Morais nº 0500269-54.2011.8.06.0001. Apelante: Sebastião Ramos de Oliveira. Apelado: Associação Torre de Vigia de Bíblia e Tratados e Associação Bíblica e Cultural de Fortaleza. Fortaleza. Relator: Francisco Barbosa Filho, 12 de setembro de 2011b.

CIOATTO, Roberta Marina; PINHEIRO, Adriana de Alencar Gomes. Apropriação indevida de palavras articuladas em textos científicos: a justiça restaurativa como possibilidade de resolução dos conflitos gerados. Sequência, Florianópolis, v. 39, n. 80, p. 75-95, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/2177-7055.2018v39n80p75/38193>. Acesso em: 8 jan. 2021.

CNJ. Horizontes a partir da Resolução nº 225, de 31 de maio 2016. Programas e Ações de Justiça Restaurativa: Mapeamento dos Programas de Justiça Restaurativa. Brasília/DF. 2019. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/conteudo/arquivo/2019/06/8e6cf55c06c5593974bfb8803a8697f3.pdf>. Acesso em: 1º abr. 2020.

______. Horizontes a partir da Resolução nº 225, de 31 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. 2016. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2016/08/4d6370b2cd6b7ee42814ec39946f9b67.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2020.

DIVAN, Gabriel Antinolfi; MIRANDA, Marcel Andreata de. Justiça restaurativa estatal: o process-focused model como ruptura paradigmática. Revista da Ajuris, v. 44, n. 143, 2017, p. 159-177. Disponível em: <http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/552/Ajuris143DT6>. Acesso em: 8 jan. 2021.

FERRETTI, Sérgio F. Notas sobre o sincretismo religioso no Brasil – Modelos, limitações e possibilidades. Revista Tempo, v. 6, n. 11, p. 13-26, jul. 2001. Universidade Federal Fluminense Niterói, Brasil. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/1670/167018156002.pdf>. Acesso em: 2 nov. 2020.

FORTALEZA. Estatuto Social da Associação Brasileira de Apoio às Vítimas de Preconceito Religioso – ABRAVIPRE. 2012. Fortaleza/CE. 12 maio 2012. Disponível em: <http://www.abravipre.org.br/arquivo/abravipre-estatuto.pdf>. Acesso em: 16 set. 2020.

GOIÁS. Tribunal de Justiça do Estado de Goiás. Projeto e ações: mediar é divino. NUPEMEC. 2015. Disponível em: <https://www.tjgo.jus.br/index.php/nupemec/projetos-e-acoes/projeto-mediar-e-divino>. Acesso em: 10 abr. 2020.

HELLINGER, Bert. Conflito e paz: uma resposta. Trad. Newton A. Queiroz. São Paulo: Cultrix, 2007.

HOOKER, David Anderson. Transformar comunidades: uma abordagem prática e positiva ao diálogo. Trad. Luís Fernando Bravo de Barros. São Paulo. Palas Athena, 2019.

LEÓN, Andrea Catalina et al. Pela completa ressocialização do agressor e por uma maior valorização da vítima: o uso da justiça restaurativa nos casos de violência doméstica. Revista da Ajuris, v. 39, n. 128, p. 47-69, 2012. Disponível em: <http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/731/431>. Acesso em: 8 jan. 2021.

LIPPMANN, Márcia Sarubbi. Direito 4.0: inovação empática na resolução de conflitos. Sob a organização de Márcia Surubbi Lippmann. Joinville: Manuscrito, 2020.

MENDES, Estevam Dedalus Pereira de Aguiar. Quebrando as regras: um estudo sobre Testemunhas de Jeová desassociadas. João Pessoa, 2012. Dissertação Mestrado UFPB/CCHLA. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/7311/1/arquivototal.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2020.

MORI, Letícia. Abuso sexual e violência doméstica: ex-Testemunhas de Jeová acusam igreja de encobrir crimes e proteger predadores. BBC News, 26 maio 2020. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-40780269>. Acesso em: 14 set. 2020.

NOGUEIRA, Sidnei. Intolerância religiosa [livro eletrônico]. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen. 2020. Disponível em: <https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/1154/o/Intolerancia_Religiosa_Feminismos_Plurais_Sidnei_Nogueira.pdf?1599239392>. Acesso em: 12 out. 2020.

PAGNAN, Rogério; GENTILE, Rogério. Testemunhas de Jeová são investigadas sob suspeita de ocultar crimes sexuais. Folha de São Paulo, 6 mar. 2020. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/03/testemunhas-de-jeova-sao-investigadas-sob-suspeita-de-ocultar-crimes-sexuais.shtml?origin=folha>. Acesso em: 14 set. 2020.

PAULA, Francine Machado de. A crise do sistema penal: a justiça restaurativa seria a solução? Revista da Ajuris, v. 43, n. 141, p. 115-147, 2016. Disponível em: <http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/431/Ajuris141_DT5>. Acesso em: 9 jan. 2021.

PETRUCCI, Ana Cristina Cusin. Justiça juvenil restaurativa na comunidade: uma experiência possível. In: PETRUCCI, Ana Cristina Cusin et al. (Org.). Porto Alegre: Procuradoria-Geral de Justiça, Assessoria de Imagem Institucional, 2012. Disponível em: <https://site.mppr.mp.br/arquivos/File/MPRestaurativo/Material_de_Apoio/Justica_Juvenil_Restaurativa_na_Comunidade_MPRS.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2020.

PRANIS, Kay. Processos circulares de construção de paz. Trad. Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2010.

ROBALO, Teresa Lancry de Gouveia de Albuquerque e Sousa. Justiça restaurativa: um caminha para humanização do Direito. Curitiba: Juruá, 2012.

SLAKMON, C.; DE VITTO, R.; PINTO, R. Gomes (Org.). Justiça restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, 2005.

SOARES, Bruna Hanime Brito. “Não fazemos parte do mundo”: as Testemunhas de Jeová na revista A Sentinela (2007-2013). Dourados: UFGD, tese apresentada em 2018. Disponível em: <https://www.ppghufgd.com/wp-content/uploads/2019/03/DISSERTA%C3%87%C3%83O-FINAL-BRUNA-HANIME-BRITO-SOARES.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.

SORIANO, Mônica. As ex-Testemunhas de Jeová rejeitadas pelas próprias famílias. BBC News, 31 jul. 2017. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-40780269>. Acesso em: 15 set. 2020.

TARTUCE, Fernanda. Mediação nos conflitos civis. 2. ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: São Paulo: Método, 2015.

WHUST, Caroline. Mediação comunitário e acesso à justiça: as duas faces da metamorfose social [recurso eletrônico]. Santa Cruz do Sul: Essere nel Mondo, 2014.

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

CIOATTO, R. M.; LIMA, Ávila de C. A JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO TRATAMENTO DE CONFLITOS ENTRE TESTEMUNHAS E EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ: UMA PROPOSTA. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 48, n. 150, p. 235–260, 2021. Disponível em: http://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1191. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...