IMPARCIALIDADE JUDICIAL: OS JUÍZES PARTISANS E OS PRECEDENTES DAS CORTES LOCAIS E INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

IMPARCIALIDADE JUDICIAL: OS JUÍZES PARTISANS E OS PRECEDENTES DAS CORTES LOCAIS E INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

Autores

Resumo

JUDICIAL IMPARTIALITY: THE “PARTISANS” JUDGES AND THE PRECEDENTS OF LOCAL AND INTERNATIONAL HUMAN RIGHTS COURTS

ÁREA(S): direito processual penal; criminologia.

RESUMO: O objetivo do presente artigo é recuperar o debate sobre a imparcialidade judicial no processo penal, no contexto pós-Operação Lava Jato. A hipótese principal do estudo é que permanências históricas de modelos autoritários condicionaram estruturas que favorecem a parcialidade, ainda que inconsciente. A partir da perspectiva criminológica crítica e do debate teórico sobre o conceito schmittiano do partisan, o texto questiona o possível surgimento do fenômeno no Brasil. Analisa, enfim, precedentes de Cortes supranacionais e locais, permitindo descrever a relação existente entre seletividade e parcialidades estruturadas no sistema judicial brasileiro.

ABSTRACT: The general objective of this article is to recover the debate on judicial impartiality in criminal proceedings, in the post-Lava Jato Operation context. The main hypothesis of the study is that historical permanence of authoritarian models conditioned structures that favor partiality, even if unconscious. From a critical criminological perspective and theoretical on the Schmittian concept of “partisan”, the text questions the possible emergence of the phenomenon in Brazil. Finally, it analyzes precedents from supranational and local courts, allowing to describe the relationship between selectivity and structured partialities in the Brazilian judicial system.

PALAVRAS-CHAVE: imparcialidade; jurisdição criminal; cortes internacionais.

KEYWORDS: impartiality; criminal jurisdiction; international courts.

SUMÁRIO: Introdução; 1 Permanências no processo penal: a seletividade criminal e os juízes partisans; 2 O inimigo, a “VazaJato” brasileira e a eficácia probatória; 3 Imparcialidade e a interpretação de Cortes internacionais; Conclusão; Referências.

SUMMARY: Introduction; 1 Permanencies in the criminal selectivity and the partisan judges; 2 The enemy, “VazaJato” and proof effectiveness; 3 Impartiality and the interpretation of international courts; Conclusion; References.

Biografia do Autor

Deise Helena Krantz Lora, UNOESC – Universidade do Oeste de Santa Catarina

Doutora em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2018), mestre e graduada  em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002 e 1999). É docente titular do Curso de Graduação em Direito da Universidade da Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Matheus Felipe de Castro, UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina

Pós-doutor em Direito pela UNB - Universidade de Brasília (2018) e Doutor em Direito pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Formando em psicanálise de orientação lacaniana na Escola Brasileira de Psicanálise - EBP/SC. Professor de Direito Penal e Processual Penal no Curso de Graduação em Direito da UFSC e no Mestrado Profissional em Direito da mesma instituição. Professor Titular do Programa de Doutorado e Mestrado Acadêmico em Direito da UNOESC - Universidade do Oeste de Santa Catarina. Líder do Grupo de Pesquisas Cautio Criminalis e do Grupo de Pesquisas em realidade do sistema penal brasileiro. Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, seção de Santa Catarina. Secretário de Comunicação do CONPEDI - Conselho Nacional de Pós-Graduação em Direito.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de excepção. Lisboa: Edições 70, 2015.

ALONSO, Pedro Aragoneses. Proceso y derecho procesal (introducción). Madrid: Editoriales de Derecho Reunidas, 1997.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997.

______. Do paradigma etiológico ao paradigma da reação social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. Revista Sequência, Florianópolis: UFSC, v. 16, n. 30, p. 24-36, 1995.

AROCA, Juan Montero. El principio acusatorio entendido como eslogan político. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre: IBRASPP, v. 1, n. 1, p. 66-87, 2015.

______. Sobre la imparcialidad del juez y la incompatibilidad de funciones procesales. Valencia: Tirant lo Blanch, 1999.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal. Trad. Juarez Cirino dos Santos. 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1999.

BADARÓ, Gustavo Henrique Righi Ivahy. Direito ao julgamento imparcial: como assegurar a imparcialidade objetiva do juiz nos sistemas em que não há função do juiz de garantias. In: BONATO, Gilson (Org.). Direito processual penal, Constituição e crítica: estudos em homenagem ao Prof. Dr. Jacinto Nelson de Miranda Coutinho. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 343-365, 2011.

______. Processo penal. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Holocausto [1989]. Trad. Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

CASTRO, Matheus Felipe de. A criminologia da luta de classes. Discursos sediciosos: crime, direito e sociedade. Rio de Janeiro: ICC/Revan, v. 15/16, a. 11, p. 121-148, 2007.

FAZZALARI, Elio. Instituições de direito processual [1975]. Trad. Elaine Nassif. 1. ed. Campinas: Bookseller, 2006.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FENOLL, Jordi Nieva. Ideología e imparcialidad judicial. Justicia – Revista de Derecho Procesal, Barcelona: J. M. Bosch Editor, n. 1-2, p. 23-26, 2011.

______. El sesgo ideológico como causa de recusación. Revista Ius et Praxis, Talca, a. 18, n. 2, p. 295-308, 2012.

______. La duda en el proceso penal. Madrid: Marcial Pons, 2013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. [1979]. Trad. Roberto Machado. 22. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

______. Vigiar e punir: história da violência das prisões. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

FRANK, Otto H.; PRESSLER, Mirjam. O diário de Anne Frank [1944]. Trad. Alves Calado. 64. ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

GIACOMOLLI, Nereu José. O devido processo penal: abordagem conforme a Constituição Federal e o Pacto São José da Costa Rica. São Paulo: Atlas, 2014.

GLOECKNER, Ricardo Jacobsen. Processo penal pós-acusatório? Ressignificações do autoritarismo no processo penal. Revista da EMERJ, Rio de Janeiro: EMERJ, v. 18, n. 67, p. 378-408, 2015.

GOLDSCHMIDT, Werner. La imparcialidad como principio básico del proceso (la partialidad y la parcialidad) [1950]. Madrid: Instituto Español de Derecho Procesal. Disponível em: <http://www.academiadederecho.org/upload/biblio/contenidos/la_imparcialidad.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2016.

GREENWALD, Glenn; MARTINS, Rafael Moro; DEMORI, Leandro. As mensagens secretas da Lava Jato. The Intercept Brasil, 2017. Disponível em: <https://theintercept.com/brasil/>. Acesso em: 5 jul. 2019.

HULSMANN, Louk; DE CELIS, Jaqueline B. Penas perdidas: o sistema penal em questão [1982]. Trad. Maria Lúcia Karan. 2. ed. Rio de Janeiro: Luam, 1997.

KHALED JR., Salah. A busca da verdade no processo penal: para além da ambição inquisitorial. São Paulo: Atlas, 2013.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras: Malleus Maleficarum [1486]. Trad. Paulo Fróes. 16. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2002.

LORA, Deise Helena Krantz. Subjetividade e imparcialidade no processo penal. Florianópolis: Tirant lo Blanch, 2019.

MARTINS, Rui Cunha. A hora dos cadáveres adiados: corrupção, expectativa e processo penal. São Paulo: Atlas, 2013.

MATE, Reyes. Meia noite na história: comentários às teses de Walter Benjamin “sobre o conceito de história”. Trad. Nélio Schneider. São Leopoldo: Unisinos, 2011.

POZZEBON, Fabrício Dreyer de Ávila. A imparcialidade do juiz criminal enquanto ausência de causas de impedimento ou de suspeição. Revista Direito & Justiça, Porto Alegre: EDIPUC, v. 39, n. 1, p. 116-120, jan./jun. 2013.

PRADO, Geraldo. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis processuais penais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

SCHMITT, Carl. O conceito do político e teoria do partisan. Trad. Geraldo de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

SCHÜNEMANN, Bernd. O juiz como um terceiro manipulado no processo penal? Uma confirmação empírica dos efeitos da perseverança e aliança. In: GRECO, Luís (Coord.). Estudos de direito penal, direito processual penal e filosofia do Direito. São Paulo: Marcial Pons, 2013.

SLOTERDIJK, Peter. Crítica de la razón cínica. [1983]. Trad. Miguel Ángel Veja. Madri: Ediciones Siruela, 2003.

SOUZA, José Elielton de; OLIVEIRA, Maria do Socorro Catarina de Sousa. Considerações sobre o conceito de “estado de exceção” em Giorgio Agamben. Intuitio, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 131-147, jul. 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

LORA, D. H. K.; CASTRO, M. F. de. IMPARCIALIDADE JUDICIAL: OS JUÍZES PARTISANS E OS PRECEDENTES DAS CORTES LOCAIS E INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS. Revista da AJURIS - QUALIS A2, [S. l.], v. 48, n. 150, p. 29–58, 2021. Disponível em: http://revistadaajuris.ajuris.org.br/index.php/REVAJURIS/article/view/1120. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

DOUTRINA NACIONAL
Loading...